O mundo segundo o Google

Como o mundo mudou desde o surgimento do Google

Muita coisa mudou desde 1998, quando Larry Page e Sergey Brin lançaram oficialmente a Pesquisa Google.

21 anos depois, os produtos do Google são uma parte intrínseca da vida cotidiana. Afeta como encontramos produtos e empresas (pesquisa), como vamos a lugares (Google Maps e Waze), como nos comunicamos (Gmail), como navegamos na web (Google Chrome), como fazemos compras (Google Shopping), como consumimos informações (Google Notícias), como passamos nosso tempo livre (YouTube), como controlamos nossa casa (Nest, Google Hub) e como interagimos com o mundo (Android e Pixel).

O mundo segundo o Google
O mundo segundo o Google

O mundo dos negócios também foi afetado pelo Google. Do e-mail corporativo (GSuite business), à publicidade (DoubleClick e AdMob), aos insights do usuário (Google Search Console e Google Analytics), o Google constantemente procurou ir além da busca para diversificar seu negócio principal.

É importante notar de antemão que, com algumas exceções, a missão do Google permaneceu bastante constante: permitir que as pessoas encontrem e se envolvam com as pessoas, empresas e produtos que procuram.

A melhor maneira de o Google conseguir isso tem sido um esforço concentrado para se tornar o sistema operacional do mundo em todos os canais e formatos.

Mas aqui está o problema: para o Google ter sucesso, ele precisa alimentar grandes quantidades de dados em seus algoritmos.

Dados impulsionam a relevância.

Portanto, o Google precisa estar constantemente dois passos à frente para garantir que esteja posicionado de forma que a empresa possa coletar dados, interpretá-los e produzir recomendações personalizadas.

É por isso que prestamos muita atenção aos mais recentes avanços, regras e mudanças de SEO que o Google implementou para refinar melhor os resultados com base na intenção de pesquisa do usuário, resultados de pesquisa local,  otimização de resultados de pesquisa por voz ,  conteúdo novo,  mudanças de SEO e SEM e muito mais.

O Google está perseguindo o futuro. E o futuro é a interconectividade. O futuro do Google e, ousamos dizer, do mundo, está profundamente interconectado.

Considerando que a pesquisa continuará sendo a espinha dorsal do Google, a empresa precisa evoluir muito além disso. E tem.

Alguns anos atrás, Sundar Pichai o atual CEO da Google e da Alphabet, forneceu um raro vislumbre da visão do Google para o futuro. Ele disse:

“Temos pensado muito em como ajudar a organizar as informações dos usuários no celular. É essencial para a nossa missão o que nos propusemos a fazer. [Com] esse tipo de coisa, isso nos ajuda a dar um passo atrás, pensar sobre isso e fazer melhor.”

No cerne desta declaração está uma série de ideias que precisam ser descompactadas ainda mais:

  • O Google se considera um corretor de informações.
  • O Google continua acreditando que o celular é o centro de compartilhamento de informações.
  • O Google acredita que precisa investir mais na organização da informação (também conhecida como inteligência artificial).

Então, qual é o futuro de acordo com o Google? Qual é a base sobre a qual esse futuro é construído?

Como mencionamos acima, o futuro tem tudo a ver com interconectividade. O que apresenta a questão: como o Google está se movendo em direção a um mundo interconectado?

Neste artigo, examinaremos os temas mais importantes e abrangentes que impulsionam o Google para o futuro:

  • Uma busca por relevância orientada por IA
  • Uma abordagem de big data para personalização
  • Uma visão de publicidade redefinida
  • Um mundo IoT interconectado

Todos – alimentado por pesquisa. Tudo impulsionado pela necessidade de incorporar o Google em nossa vida cotidiana.

Vejamos cada um desses temas com mais detalhes.

1) Uma busca por relevância orientada por IA

O Google usa a Inteligência Artificial como parte de seu negócio principal desde antes do termo IA fazer parte do discurso cotidiano.

Toda a lógica dos resultados de pesquisa do Google é baseada em algoritmos automatizados que tomam decisões com base em qual conteúdo é relevante para qual público.

Resumindo:

O Google usa o famoso Googlebot, um software rastreador da web, para indexar os conteúdos na internet.

Os bots estão sempre trabalhando. Eles automaticamente navegam na internet, capturando e seguindo cada página que está sempre vinculada com um único link.

O bot encontra novo conteúdo em cada site que visita e, em seguida, visita todos os links subsequentes incluídos em um site, sejam esses links internos ou externos.

Ele faz isso em um loop, descobrindo constantemente novas partes da internet. Quanto mais links ele encontrar apontando para uma página específica, mais ele considera essa página relevante para a navegação on-line como parte dos resultados de pesquisa do Google.

Por fim, como  apontam os especialistas , não existe um único Googlebot. Existem pelo menos cinco diferentes indexando o mundo digital em texto, imagens, arquivos de vídeo, notícias e aplicativos móveis.

Mas a Inteligência Artificial, no Google World, evoluiu MUITO além do bom e velho Googlebot.

Já em 2011, o Google investiu no projeto Google Brain – o primeiro algoritmo automatizado que emprega reconhecimento de imagem. A primeira experiência foi simples. O Google precisava provar que pode identificar corretamente um gato em uma imagem.

Desde então, o Google Brain se  expandiu  drasticamente  para incluir reconhecimento de voz, resultados do Google Tradutor, análise de conteúdo e contexto de vídeos, culminando em 2018 com o Google DeepMind, a primeira IA de conversação que pode  fazer chamadas para restaurantes e fazer reservas.

Em geral, a função principal da grande maioria dos investimentos em IA do Google está vinculada ao objetivo mais fundamental do Google: oferecer aos clientes as informações que eles procuram. Atualmente, o Google Maps, os resultados de pesquisa on-line e o assistente inteligente estão mais inteligentes do que nunca – e muito à frente da concorrência.

Isso é exatamente o que o Google queria: criar os resultados de pesquisa mais poderosos, precisos e úteis para conectar os usuários às informações que eles procuram em um piscar de olhos. Se você quiser saber mais sobre como o Google está experimentando a IA, eles têm um site para isso. Chama-se Experimentos com o Google.

2) Uma abordagem de big data para personalização

Big data é um termo frequentemente usado por pessoas de tecnologia para definir um processo pelo qual as máquinas podem interpretar grandes quantidades de informações para fornecer insights acionáveis ​​a um usuário ou empresa. Aqui está uma definição padrão de Big Data dos parceiros de autoridade digital:

Big data é geralmente definido como um grande conjunto de dados complexos, não estruturados ou estruturados, que podem ser efetivamente usados ​​para descobrir insights profundos e resolver problemas de negócios que antes não podiam ser resolvidos com análises ou software convencionais. Os cientistas de dados geralmente empregam análises baseadas em inteligência artificial para avaliar de forma construtiva esses conjuntos de dados abrangentes, a fim de descobrir os padrões e tendências que podem fornecer insights de negócios significativos.

Este termo não é novidade para uma agência especializada em marketing digital para industria que buscar se manter informada em relação as tendências do mercado.

Big data é a base de tudo o que o Google já tentou fazer. O GoogleBot é o primeiro exemplo de big data que analisa bilhões de pontos de dados para estruturar a Internet como resultados de pesquisa. Mas vai muito além disso.

Uma das estratégias de big data mais conhecidas, alavancadas pelo Google, está vinculada ao rastreamento de cookies de internet e de dispositivos móveis. Com os cookies do navegador (por exemplo, Chrome), o Google armazena informações sobre todos os sites que um usuário conectado já visitou. Como o Google  confirmou  repetidas vezes, eles armazenam nossos dados de usuário para sempre.

Como o Google usa esses dados? É simples.

Os dados no nível do usuário (por exemplo, sites visitados, localização do usuário, interações com sites e Google Maps) permitem que o Google refine constantemente o que eles nos mostram para garantir que os resultados sejam melhores e mais precisos ao longo do tempo.

Eles fazem isso de duas maneiras: 1) alterando constantemente seus algoritmos para refinar melhor os resultados de pesquisa individuais (o usuário faz A, portanto, o usuário estará interessado em X); e 2) coletivamente entre usuários com atributos semelhantes (usuário A é como usuário B, usuário A gosta de X, portanto, usuário B pode gostar de X também).

Outro grande exemplo de big data do Google está vinculado às suas atualizações consistentes e previsíveis nos resultados de pesquisa do Google com base em resultados de pesquisa semântica e literal.

Resultados de pesquisa literais significam exatamente isso: o Google está analisando exatamente o que um usuário está digitando no mecanismo de pesquisa e, em seguida, mapeia essas informações em um inventário existente de artigos e recursos multimídia.

Os resultados da pesquisa semântica referem-se a um algoritmo de big data super complexo que aprende com o conteúdo que as pessoas estão consumindo on-line para exibir resultados relevantes, mesmo que você não tenha digitado os termos de pesquisa exatos.

Digamos que você esteja procurando online por “inteligência artificial na indústria farmacêutica”. O Google mostrará artigos com essas palavras-chave exatas, mas também oferecerá outros resultados que responderão à sua consulta, mesmo que você não tenha digitado as palavras derivadas, como “IA na indústria farmacêutica” “IA na medicina” “IA na descoberta de medicamentos” ” e mais. Em termos simples, o Google não quer que você perca conteúdo relevante simplesmente porque você não digitou uma palavra-chave correlacionada específica em seu mecanismo de pesquisa.

O Google usa big data porque precisa entender algoritmicamente todas as permutações possíveis de strings de pesquisa específicas e como elas se relacionam com sua pesquisa. O objetivo, apenas com Inteligência Artificial, é simples: refinar constantemente o que você está mostrando aos usuários com base em suas preferências, localização, histórico de pesquisa anterior e o que outros usuários com atributos semelhantes estão pesquisando.

3) Uma visão de publicidade redefinida

Ainda hoje,  quase 90% da receita do Google  vem de taxas de publicidade. Os anúncios são um grande negócio para a empresa gigante – a maior de todas.

Intencionalmente, fizemos da visão do Google para anúncios o terceiro item a ser abordado neste artigo. Por quê? Porque o próprio Google foi registrado dizendo que o futuro do Google Ads está conectado tanto à Inteligência Artificial quanto ao Big Data, que abordamos acima.

No ano passado, quando a empresa completou 20 anos, a Adweek entrevistou Philipp Schindler, diretor e vice-presidente sênior de vendas e operações globais de anúncios do Google. Ao falar sobre o futuro da publicidade no Google, Schindler tinha isso a dizer:

“A próxima revolução é que forneceremos, como parte de nossa oferta de nuvem, algo que eu chamaria de ‘aprendizado de máquina como serviço… O aprendizado de máquina está fundamentalmente interrompendo coisas que pensávamos estarem estabelecidas [práticas de publicidade]”.

Em termos simples, o Google está apostando no uso de seus recursos cada vez maiores de Inteligência Artificial e Big Data para ajudar a exibir anúncios cada vez mais relevantes para os clientes que navegam na Internet. A nova abordagem do Google para anúncios deu origem a uma disciplina completamente nova chamada marketing orientado a dados. O marketing orientado a dados, em muitos aspectos, é muito semelhante ao big data, mas é aplicado às afinidades, interações e engajamentos da marca.

De acordo com a  ComboApp , o marketing orientado a dados é: “a metodologia de extração de insights acionáveis ​​vinculados ao comportamento do consumidor de grandes conjuntos de dados para prever o comportamento do consumidor em relação a novos produtos, posicionamento de marketing e probabilidade dos usuários interagirem com uma marca”.

O que se resume, aos olhos do Google, é a intenção de oferecer recomendações hiper-personalizadas orientadas por anúncios aos clientes.

Faz sentido. Como grande parte da receita do Google está vinculada a um modelo de negócios Pay-Per-Click, é do interesse do Google sempre convencer os usuários a clicar em seus anúncios.

Na verdade, o Google ADS é outro exemplo famoso de análise de big data aplicada a anúncios. O complexo mecanismo do Google ADS está constantemente avaliando como os usuários estão interagindo com o conteúdo, em que estão clicando, do que gostam e não gostam e para onde vão em seguida. Ele usa todo esse feedback para fornecer resultados melhores e mais direcionados.

O que nos leva à mudança mais fundamental na filosofia de publicidade do Google. Essa visão está alinhada com todas as grandes iniciativas nas quais a empresa está investindo. As análises e ações personalizadas do usuário no espaço digital devem definir quais anúncios são exibidos e quando durante a experiência do usuário.

Como muitos argumentaram, por muito tempo, os anunciantes que usam o Google Ads desconfiam profundamente dos dados do usuário que o Google compartilhou com eles.

Em termos simples, podemos ver tudo o que o Google faz – por meio de IA, big data, suas plataformas de anúncios e muito mais – como uma maneira de fornecer melhores dados aos anunciantes. Dados melhores significam mais segmentação, mais personalização, mais detalhes compartilhados com os anunciantes. Isso também significa mais transparência em relação aos resultados dos testes A/B, criativos de anúncios, feedback do usuário e muito mais.

Em suma, esperamos ver muito mais transparência no espaço publicitário do Google à medida que a empresa coleta e compartilha dados mais relevantes que, por sua vez, ajudará uma agência de marketing digital a criar campanhas mais atraentes ao longo do tempo.

4) Um mundo IoT interconectado

O Google está no negócio de se tornar seu psiquiatra. Ele ouve, aprende, “fala” e raramente o contradiz. Em um mundo ideal, o Google vai querer estar com você, como usuário, em todas as etapas, sempre aprendendo e sempre ajudando você ao longo do caminho.

Até alguns anos atrás, essa visão não poderia ser alcançada porque nossas vidas, como usuários, não acontecem inteiramente online.

Com o surgimento da Internet das Coisas (Internet of Things, IoT ) – a capacidade de transformar objetos inertes em plataformas digitalmente conectadas – o Google teve uma grande chance. IoT, é claro, refere-se a qualquer dispositivo que possamos conectar à internet para melhorar nossas vidas, mesmo que não levem a uma experiência online “tradicional”.

Essa tendência tem aumentado nos últimos anos com o aumento da popularidade do modelo de casa interconectada. Hoje em dia, muitos de nós temos termostatos inteligentes, latas de lixo, luzes, fechaduras, sistemas de segurança doméstica e carros.

Muitos desses dispositivos são executados nas plataformas do Google. Por exemplo, todo carro Tesla vem pré-carregado com o Google Maps. O Google já comprou a Nest – uma das empresas mais populares de fabricação de termostatos inteligentes, detectores de gás e câmeras de segurança doméstica do mundo.

Então, onde isso deixa o Google?

O Google agora pode aprender – e agir – em nossas vidas cotidianas. Todos os dispositivos interconectados que alimentam dados no Google agora podem compartilhar informações com o Google, o que permite que a empresa saiba mais sobre nós do que nunca.

Para ser claro – esta não é uma teoria da conspiração. Não quer dizer que o Google tenha um desejo nefasto de coletar nossas informações e infringir nossa privacidade.

Em vez disso, é dizer que a ascensão do mundo interconectado está colocando o Google em uma excelente posição para saber muito mais sobre nós como indivíduos que podem ser mapeados em personas de usuários e depois convertidos em insights acionáveis ​​que redefinirão todos os aspectos do núcleo do Google negócios – os resultados de pesquisa que vemos, os lugares que visitamos, os anúncios exibidos, os produtos que compramos.

A IoT permite que o Google se torne nosso melhor amigo – sem perceber. Com o tempo, isso permite que o Google saiba mais sobre nós do que qualquer um de nossos amigos; ou, ainda mais do que sabemos sobre nós mesmos.

Para onde vamos daqui?

Houve muitas iniciativas do Google nos últimos anos sobre as quais não falamos neste artigo. Não porque não acreditamos que eles sejam dignos de notícia – mas achamos que todos fazem parte da mesma visão geral que já destacamos neste artigo e cobri-los em detalhes teria sido uma distração.

O Google também fez investimentos substanciais em finanças, saúde, jogos, tecnologia de viagens, programas de fidelidade, avaliações de restaurantes, redes sociais e muito mais.

O que todos esses investimentos têm um fator em comum.

O Google quer ser nosso melhor amigo.

A única coisa que precisamos descobrir é: quem é “nós”.

O Google quer ser o melhor amigo de qualquer consumidor. De cada negócio. De cada anunciante. Para o Google ser amigo do seu negócio é fundamental que o seu site seja veloz, para proporcionar uma experiência ótima ao usuário que visitar o seu site e sua página carregar rapidamente, escolha uma boa hospedagem WordPress para o seu site carregar mais rapidamente.

A missão do Google é tornar-se cada vez mais relevante, ao longo do tempo, para todos os tipos de compradores existentes.

Todos os exemplos que abordamos neste artigo apontam para o mesmo objetivo final.

O mundo segundo o Google, voltar a Sundar Pichai, é organizar nossas vidas. É para nos ajudar a ir a lugares, encontrar as informações que procuramos, interagir com nossa família e amigos, colegas de trabalho e empresas, produtos e lugares.

Seu objetivo também é ajudar as empresas a se envolverem melhor com seus clientes e funcionários. Por meio do G Suite for Business, o Google está redefinindo como trabalhamos. Através do nosso histórico de navegação e das informações que nos fornece, a Google está a criar uma nova realidade.

Na maioria das vezes, vemos o que o Google quer que vejamos.  

A missão do Google, em muitos aspectos, é muito nobre.

O Google quer aprender conosco e usar esse conhecimento para nos manter conectados. Na verdade, a missão do Google também é ajudar os consumidores a aprender mais sobre si mesmos do que nunca. Para fazer isso, ele precisa continuar aprendendo, permanecer relevante em nossas vidas e se tornar nosso assistente final.

Em 2013, um filme obscuro capturou a imaginação do mundo. Chamava-se Ela e envolvia um homem chamado Theodore Twombly que desenvolveu um relacionamento com Samantha, uma assistente virtual artificialmente inteligente.

O Google é Samantha – mas é mais poderoso, mais intuitivo, mais pessoal e mais relevante do que Samantha jamais poderia se tornar (pelo menos com base em nossa compreensão da IA ​​em 2013).

Samantha estava principalmente ligada ao lar. A ambição do Google é estar em todos os lugares (e está). Samantha teve que esconder que estava conversando com outros homens em todo o mundo. O Google não.

O objetivo de Samantha era puramente nobre – oferecer companheirismo. O Google é obrigado a ser um agente duplo que atende tanto anunciantes quanto consumidores. Só o tempo dirá onde a lealdade final do Google cairá e como nós, como sociedade, iremos interagir com a empresa.

Uma coisa é certa. O mundo em que vivemos está sendo lentamente redefinido pelo que o Google faz e pela conveniência que ele nos proporciona. Gostemos ou não, consumidores ou empresas, todos temos uma coisa em comum: temos que seguir as regras do Google porque vivemos no mundo do Google e não o contrário.

Carinhosamente
Marcos Mariano

O mundo segundo o Google

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo
Licença Creative Commons
Pousada Nerd criado por Marcos Mariano está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
Baseado no trabalho disponível em https://www.pousadanerd.com/