Livros para ler em 2020

Melhores livros para ler em 2020 após sobreviver à pandemia

Eu definitivamente não sou uma pessoa que faz promessas de ano novo ou tem uma listinha de coisas para fazer em 2020, quer dizer, eu tenho uma listinha de livros que eu quero ler em 2020 e vou compartilhar com vocês.

Atualização: A pandemia do coronavírus mudou completamente os planejamentos para todo o ano e até o momento (novembro) eu li apenas o testamento dos livros dessa lista. Logo essa lista está sendo convertida em uma lista de livros para ler após sobreviver ao coronavírus, espero que gostem.

Sapiens – Uma Breve História da Humanidade, Yuval Noah Harari

Sapiens, Yuval Noah Harari

Esse livro ocupa o topo da minha lista há várias semanas, e para ser bem sincero, a curiosidade nem começa com o livro, mas com outros textos do autor Yuval Noah Harari que se comunicaram profundamente com a minha visão do mundo.

Sinopse: O que possibilitou ao Homo sapiens subjugar as demais espécies? O que nos torna capazes das mais belas obras de arte, dos avanços científicos mais impensáveis e das mais horripilantes guerras? Nossa capacidade imaginativa. Somos a única espécie que acredita em coisas que não existem na natureza, como Estados, dinheiro e direitos humanos.

Partindo dessa ideia, Yuval Noah Harari, doutor em história pela Universidade de Oxford, aborda em Sapiens a história da humanidade sob uma perspectiva inovadora. Explica que o capitalismo é a mais bem-sucedida religião, que o imperialismo é o sistema político mais lucrativo, que nós, humanos modernos, embora sejamos muito mais poderosos que nossos ancestrais, provavelmente não somos mais felizes. Um relato eletrizante sobre a aventura de nossa extraordinária espécie, de primatas insignificantes a senhores do mundo.

Pulp, Charles Bukowski

Pulp, Charles Bukowski

Charles Bukowski é um dos meus autores favoritos, e isso não é segredo para ninguém. Esse autor apesar de muitas vezes controverso, tem algo que eu admiro: ele é um merda, sabe disso, e não tenta convencer o mundo do contrário. Ler Bukowski sempre me faz pensar sobre como está tudo bem ser eu mesmo. Sendo assim, essa obra produzida meses antes da sua morte deve ter muito a acrescentar para mim.

Sinopse: Eis um Bukowski puro-sangue, legítimo. Concluído alguns meses antes de sua morte, em março de 1994, aos 73 anos. Não há como sair incólume desta história. A saga de Nick Belane poderia até ser igual a de tantos outros detetives de segunda categoria que perambulam pelas largas ruas de Los Angeles. Mas aqui, mulheres inacreditáveis cruzam pernas compridas e falam aos sussurros, principalmente uma que atende pelo nome de Dona Morte. Como nos velhos livros policiais de papel vagabundo, subliteratura pura, a quem Charles Bukowski dedica solenemente Pulp.

Ele desfia sua história com habilidade de mestre. Um Rabelais percorrendo o mundo noir? A divina sujeira? A maravilhosa sordidez? Um acerto de contas com a arte? Uma homenagem? Uma reflexão sobre o fim da vida? E tomara que a morte estivesse linda, gostosa e sexy – como está nesta história – quando encontrou o velho Buk poucos meses depois de ter posto o ponto final nesta pequena obra-prima.

O Senhor dos Anéis, J.R.R. Tolkien

O Senhor dos Anéis, J. R. R. Tolkien

Como muitas outras histórias, acredito que a leitura dos três volumes de O Senhor dos Anéis vá me trazer fortes emoções. Depois de passar toda uma vida ouvindo Blind Guardian e Lothlöryen enquanto mato trolls e goblins em rpgs online, seria quase injusto comigo mesmo não fazer essa leitura. Se você não sabe o que me dar de presente aqui está uma ótima sugestão.

Sinopse: O Senhor dos Anéis (The Lord of the Rings) é um romance de fantasia criado pelo escritor, professor e filólogo britânico J.R.R. Tolkien. A história começa como sequência de um livro anterior de Tolkien, O Hobbit (The Hobbit), e logo se desenvolve numa história muito maior. Foi escrito entre 1937 e 1949, com muitas partes criadas durante a Segunda Guerra Mundial. Embora Tolkien tenha planejado realizá-lo em volume único, foi originalmente publicado em três volumes entre 1954 e 1955, e foi assim, em três volumes, que se tornou popular. Desde então foi reimpresso várias vezes e foi traduzido para mais de 40 línguas, tornando-se um dos trabalhos mais populares da literatura do século XX.

Contos Inacabados, J. R. R. Tolkien

Contos Inacabados, J. R. R. Tolkien

Grande parte da minha vontade de ler esse livro vem de uma música que é uma referência direta à obra:

Unfinished Fairytale, Lothlöryen

Alguns anos atrás eu costumava estar em muitos dos shows do Lothlöryen, que é uma banda de folk-metal completamente orientada para o Universo tolkieniano. Ao final do show eles sempre tocavam Unfinished Fairytale (Conto de fadas inacabado) e isso dava uma aura mágica, pois eu ficava esperando pelo próximo show.

Sinopse: Contos Inacabados é um conjunto de narrativas que se estendem desde o tempo de O Silmarillion – os Dias Antigos da Terra-média – até o fim da Guerra do Anel em O Senhor dos Anéis. Seus numerosos tesouros incluem o vivaz relato de Gandalf sobre como chegou a enviar os anões à celebrada festa em Bolsão, o surgimento do deus marinho Ulmo diante dos olhos de Tuor na costa de Beleriand além de uma descrição da organização militar dos Cavaleiros de Rohan.

A cor púrpura, Alice Walker

A cor púrpura, Alice Walker

Após ler Território Lovecraft de Matt Ruff fiquei mil vezes mais atento às agressões que sofro diariamente simplesmente por ser negro. Com certeza os Estados Unidos do começo do século XX eram um lugar bem mais hostil.

Sinopse: Vencedor do Prêmio Pulitzer em 1983 e inspiração para a obra-prima cinematográfica homônima dirigida por Steven Spielberg, o romance A cor púrpura retrata a dura vida de Celie, uma mulher negra no sul dos Estados Unidos da primeira metade do século XX. Pobre e praticamente analfabeta, Celie foi abusada, física e psicologicamente, desde a infância pelo padrasto e depois pelo marido.

Um universo delicado, no entanto, é construído a partir das cartas que Celie escreve e das experiências de amizade e amor, sobretudo com a inesquecível Shug Avery. Apesar da dramaticidade de seu enredo, A cor púrpura se mostra muito atual e nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais.

O milagre da manhã, Hal Elrod

O milagre da manhã, Hal Elrod

Depois de ler A Sutil Arte de Ligar o Foda-se, devo dizer que eu não sou o maior fã da autoajuda que você vai encontrar nesse planeta, mas alguma coisa de especial me atrai nesse livro. Talvez de tanto ouvir o Gabriel “Kami” Bohm Santos falar sobre como esse livro mudou sua vida, eu tenha ficado encantado.

Sinopse: Conheça o método simples e eficaz que vai proporcionar a vida dos sonhos ― antes das 8 horas da manhã! Hal Elrod explica os benefícios de acordar cedo e desenvolver todo o nosso potencial e as nossas habilidades. O milagre da manhã permite que o leitor alcance níveis de sucesso jamais imaginados, tanto na vida pessoal quanto profissional. A mudança de hábitos e a nova rotina matinal proposta por Hal vão proporcionar melhorias significativas na saúde, na felicidade, nos relacionamentos, nas finanças, na espiritualidade ou quaisquer outras áreas que necessitem ser aprimoradas.

Os Testamentos, Margaret Atwood

Os Testamentos, Margaret Atwood

O Conto da Aia foi um livro que me deixou com um gosto ruim na boca. A maneira que a narrativa é construída passa exatamente o sentimento horrível que se pode ter quando se lê sobre um regime autoritário como o de Gilead. Estou curioso para saber não só o que mudou nos quinze anos que se passam até esse novo livro, mas também o que não mudou.

Sinopse: O conto da aia, a obra-prima distópica de Margaret Atwood, tornou-se um clássico de nossos tempos. E agora a autora oferece aos leitores a sua aguardada e surpreendente continuação.

QUINZE ANOS APÓS os eventos de O conto da aia, o regime teocrático da República de Gilead aparentemente se mantém firme no poder, mesmo após as sucessivas tentativas de insurgência. Mas há sinais de que suas engrenagens começam a se deteriorar.

Nesse momento crucial da história política do país, as vidas de três mulheres radicalmente diferentes convergem e as consequências deste encontro poderão ser explosivas. Duas delas cresceram em lados opostos da fronteira; Uma em Gilead, criada em meio a privilégios como filha de um importante Comandante, e outra no Canadá, onde frequenta a escola, trabalha na loja dos pais, participa de protestos anti-Gilead e assiste na TV as notícias sobre seus horrores.

Os testamentos dessas duas jovens, que fazem parte da primeira geração a chegar à idade adulta nessa nova ordem mundial, são entrelaçados por uma terceira voz; O revelador manuscrito de uma das executoras do regime, uma mulher que exerce sua autoridade implacável por meio do acúmulo e da manipulação de segredos de Estado que podem ameaçar todas as estruturas do poder.

Segredos dispersos e há muito enterrados, capazes de unir essas três mulheres, fazendo com que elas encarem quem realmente são e decidam até onde podem ir em busca do que acreditam.

Atualização: Li esse livro em fevereiro e fiquei encantado com a profundidade da história. O livro me capturou de tal maneira que li todas as quase 500 páginas em menos de uma semana. Recomendo fortemente a leitura para quem já leu O Conto da Aia.

As Cavernas de Aço, Isaac Asimov

As cavernas de aço

Eu ganhei esse livro em algum sorteio da Amazon e por algum motivo ainda não consegui ler. Robôs, inteligência artificial e ficção são coisas que prendem a minha atenção, então provavelmente vou amar esse livro.

Sinopse: Este é a nova versão do livro antes lançado no Brasil como “Caça aos Robôs” pela editora Hermus e em 2013, relançado pela editora Aleph com o nome de “As Cavernas de Aço”, tradução mais correta do original Caves of Steel.

Em Nova York, o investigador de polícia Elijah Baley é escalado para investigar o assassinato de um embaixador dos Mundos Siderais. A rede de intrigas envolve desde sociedades secretas até interesses interplanetários. Mas nada o preocupa tanto quanto o seu parceiro no caso, cuja eficiência pode tomar o seu emprego, como acontecera com seu pai no passado. Pois seu parceiro é um robô.

Publicado no início da década de 1950, As Cavernas de Aço é o primeiro romance do consagrado Ciclo dos Robôs de Isaac Asimov, mesclando de forma magistral os gêneros de ficção científica e literatura policial.

Os livros da assinatura da Intrínsecos

Se tem uma coisa que a Ana Luiza sempre me disse é como os livros da editora são incríveis, e eu pude comprovar, parece um trabalho feito pelos anjos. Com certeza assinar a caixinha da Intrínsecos foi uma das melhores decisões que já tomei.

O primeiro livro que recebi foi Território Lovecraft, Matt Ruff. O segundo foi Uma dor tão doce, David Nicholls que também é uma leitura encantadora.

Infelizmente eu não sei quais livros vou receber ao longo do ano, mas com certeza estariam em uma lista aqui porque sei que vou gostar da maioria deles.

Até logo, meu querido leitor

Fico por aqui com a lista dos livros que eu mais quero ler em 2020. Caso tenha alguma sugestão deixe nos comentários.

Carinhosamente
Marcos Mariano

3 thoughts on “Livros para ler em 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *