Resenha – A rainha da fofoca

Resenha – A rainha da fofoca

Lizzie se apaixonou por um cara em 24 horas e resolveu passar um mês na casa dele na Inglaterra. Achei estranho até aí, mas segui. A história é cheia de personagens cativantes, outros nem tanto (vide: Dominique). Queria que a Shari fosse minha amiga, porque ela é simplesmente incrível. 

A vida planejada de Lizzie muda de uma hora para outra, mas com tudo o que acontece, ao fim do livro a evolução dela é nítida. O final do livro te deixa com um gostinho de quero mais. A Lizzie que começou o livro não é a mesma que termina, então eu tenho certeza que ela contornaria tudo da melhor forma possível. 

Quando li o título eu esperava por algo mais “Gossip Girl” e não foi essa a abordagem do livro mas em nenhum momento eu me senti decepcionada, adorei a história. Descobri recentemente ~hoje~ que o genêro do livro se chama chick-lit, e mal posso esperar pra ler mais livros assim. Os romances chick-lit mostram a vida da mulher moderna

A única coisa que me deixou incomodada foi a perda de peso da personagem, não a perda de peso em si, mas o fato de isso não ter sido mais explorado, como por exemplo, perceber que tendo diminuído várias medidas ou não era ainda era linda.

A Rainha da Fofoca, Meg Cabot

A Monografia de Lizzie

Logo nas primeiras páginas já sabemos qual é a grande questão do livro, a formatura dela toma um rumo não esperado. Admito que no começo fiquei um pouco incomodada com o fato de ter uma parte da monografia dela no fim de cada capítulo. Quando eu li Fangirl, da Rainbow Rowell (que amor de livro) eu não gostei, achei odiar uma palavra muito forte, os trechos da história de Simon Snow no meio da história da Cat. 

Era legal ver como a vida dela influenciava na história que ela estava escrevendo, mas as vezes era como uma quebra na história, e os trechos eram longos e massantes, realmente não gostei. Mas em A rainha da fofoca eu não senti isso, ao final de cada capítulo eu sentia que realmente aprendia uma coisa sobre a história da moda, que particularmente, eu nunca procuraria, Ps: Entendo que Fangirl é um spin-off de Simon Snow, que aliás, eu não li. Talvez seja por isso que eu não gostei.

Peguem seus bilhetes, vamos fazer uma viagem de trem (Spoilers)

Ao terminar o livro eu só senti orgulho de Lizzie. Ela cresceu muito, e lidou muito bem com tudo que aconteceu na sua vida. Tenho que admitir que por um momento achei que ela realmente iria dar o dinheiro para Andy, mas felizmente, Lizzie não me deu esse desgosto. 

Fiquei surpresa com a atitude de Dominique e principalmente com a de Blaine, que achei estranha a princípio, mas não achei que fosse seguir o caminho que seguiu. É muito legal ressaltar que Dominique também não é pintada como “vilã” logo no começo, acontece tudo no seu tempo, e cada um vai mostrando sua personalidade e seus valores. E o que aconteceu de fato, deixo para você descobrir.

Ana Luiza Martins Cesario

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *