Resenha completa da série Artemis Fowl

Resenha completa da série Artemis Fowl

Artemis Fowl é uma série de livros escrita pelo irlandês Eoin Colfer, mais um livro complemento chamado “Arquivo Artemis Fowl”. Artemis Fowl é um misto de policial, ação e fantasia

Fiquei encantada ao ler essa saga e admirada pelo fato de a mesma não ter mais visibilidade. Recomendo a leitura de Artemis Fowl à todos que se dispõem a ler séries com mais de três livros.

E mais, no momento estou à espera do lançamento do filme Artemis Fowl: O Mundo Secreto, com grandes expectativas. Aguardemos até maio e volto para falar sobre minhas impressões à respeito. 

Artemis Fowl, Eoin Colfer

Sinopse: A história conta a vida de Artemis Fowl, um garoto de 12 anos, único herdeiro da família Fowl, que tem o maior Q.I. da Europa e uma frieza perceptível. Ele usa essa inteligência fora do comum para fins pouco nobres. 

Os dados começam a rolar quando Artemis descobre um mundo totalmente novo, o mundo das fadas. Por meios escusos, consegue roubar o Livro das Fadas, uma espécie de “Bíblia” entre o Povo, carregada por cada um de seus habitantes, e assim desvenda a sua linguagem peculiar, traduzindo o alfabeto das Fadas (chamado Gnomês).

Logo, monta um plano para conseguir roubar o ouro das fadas, uma fortuna realmente grande e muito bem guardada. Ele sequestra a elfo Holly Short e pede o resgate. A Capitã Holly Short faz parte da LEP (Liga de Elite da Polícia), mais especificamente da tropa de reconhecimento, a LEPrecon. A partir daí começa a aventura, e o final dá margem a uma continuação. 

Depois disso, no segundo livro, Artemis ajuda as fadas na Revolta dos Goblins, que estão usando artefatos humanos para dominar o mundo subterrâneo. Ao ajudá-los, enfrenta uma grande inimiga, Opala Koboi, uma duende diabrete muito inteligente. Artemis também precisa da ajuda do povo para salvar seu pai, que dois anos antes fora sequestrado pela Máfia Russa. 

No terceiro livro Artemis cria um supercomputador cinquenta anos mais avançado que o melhor computador do mundo, usando tecnologia roubada do Povo das Fadas. Mas tudo dá errado quando ele perde seu melhor amigo (e guarda-costas), Butler, e um empresário de sucesso com ligações à Máfia rouba o computador, o Cubo V.

Então novamente ele pede ajuda às fadas para poder resgatar seu computador e evitar que em mãos erradas ele possa destruir o Povo das Fadas. Isso traz grandes consequências para Artemis, Butler e Juliet. 

O quarto livro, desacreditado por um possível evento “cauterizante” da saga, continua no final do terceiro, contando como a inimiga pública número um do Mundo das Fadas, Opala Koboi, que havia liderado a Revolta dos Goblins descrita no segundo livro, consegue se libertar, estando presa a um estado de coma semi-vegetativo em uma clínica com máxima segurança há mais de um ano, e iniciar seu genial plano de vingança contra os que estragaram seu plano um ano antes. 

No quinto livro Artemis e o Povo das Fadas devem cooperar para juntos impedir que a raça mágica dos Demónios volte à Terra, depois de anos presos no Limbo, um lugar entre o espaço e o tempo, e que agora ameaçam voltar para exterminar todos os humanos.

A mais nova adição à série é a puberdade de Artemis e seu interesse por meninas, principalmente a nova personagem Minerva Paradizo, outra menina gênio de 12 anos de idade, que ainda por cima se torna sua maior rival. 

No sexto livro a mãe de Artemis, Angeline Fowl, fica gravemente doente, adquirindo uma enfermidade do povo das fadas. E a cura para a doença dela, por ironia do destino, era feita de um animal extinto há anos e Artemis fora o responsável pela morte do último ser da espécie. É então que, com a ajuda de Holly, Artemis volta ao passado para impedir que seu Eu passado destrua a única possibilidade de cura de sua mãe.

É então que Artemis se vê cara a cara com o mais inteligente adversário que encontrara: ele mesmo, aos 10 anos. O melhor ponto do livro para os fãs da saga é sem duvida quando a versão adolescente de Holly Short e o Artemis atual se beijam. 

No sétimo livro, Artemis se descobre com uma doença causada pela mistura de magia e culpa chamada Complexo de Atlântida que causa TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), paranoia e alucinações.

A doença atinge um ponto crítico quando Artemis deserta da própria cabeça e seu Alter-Ego assume o seu controle do corpo com o nome de Orion, no exato momento em que o irmão de Julios Raiz (Comandante da LEPrecon), o vilão Tornaboll Raiz, arquiteta um maligno plano de fuga. 

No oitavo livro, Opala consegue fugir novamente arquitetando seu último plano maligno contra O Povo e os humanos. Arriscando a vida de seu próprio eu mais jovem e com um novo corpo tomado de magia negra e energia quântica, ela abrirá O Portão, construído pelo antigo feiticeiro Bruin Fadda para o caso dos humanos atacarem novamente o povo subterranêo.

O Portão é constituído de duas fechaduras: uma contém o espírito dos guerreiros Furiosos e a outra a ira de Danu. (Mãe Terra) Se aberta, a segunda fechadura irá espalhar uma explosão com energia geotérmica, lançando os humanos que não morrerem a uma nova era glacial.

Opala Koboi irá invocar o espírito dos antigos guerreiros Furiosos, mortos há mais de dez mil anos em uma sangrenta batalha contra os humanos, para que se aliem ao seu lado na destruição em massa dos humanos. Enquanto isso Artemis e Holly vão correr contra o tempo para salvar a humanidade da fúria de Danu.

Vanessa Paiva

2 thoughts on “Resenha completa da série Artemis Fowl

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *