Literatura marginal: Principais autores


O que é literatura marginal

A literatura marginal é algo presente já faz tempo, aqui no Brasil o termo foi usado pela primeira vez na década de 1970 para se referir a uma variedade de poetas que não tinham um plano coletivo para se reunir, mas tinham certas características em comum.

Eles rejeitaram as seitas predominantes, como o conservadorismo, a prática poética e a poesia processual, e propuseram uma criação não intelectual ou politicamente participativa que se centra na vida diária, é caracterizada por oral e sátira e envolve todos os aspectos da vida diária dos jovens, sendo considerado os perfis de pessoas de classe média que usam drogas e consomem álcool.

De fato, a literatura marginal é um grito para o mundo, o resultado dessas vertentes se deu em várias obras poéticas que eram feitas manualmente e tinham grande presença contextual, o que não representa uma linguagem culta e que fugia de todos os padrões.

O próprio autor distribui livrinhos em pequenos bares, museus, praças, teatros e cinemas.

O movimento é liderado por um grupo de artistas e intelectuais de classe média que se recusam a adotar formas estéticas. Entre os nomes dos antecessores nesse quesito, temos Paulo Leminski.

Com o passar do tempo, o termo “literatura marginal” ganhou novo desenvolvimento.

A literatura brasileira sempre gostou de histórias de ostracismo social

No final da década de 1980, quando novas frentes e massacres surgiram na violência do país, o termo “literatura marginal” também tomou novas formas: tornou-se a expressão declaração “Voz mundial”.

Uma sociedade que vive da sobrevivência também está relacionada ao nome Literatura Periférica.

Desde então, a literatura marginal ganhou uma nova voz e está conectada com outras culturas ao nosso redor. Também conseguiu parar a edição independente e gradualmente conquistou o mercado editorial.

Você pode gostar:  9 livros mais vendidos de 2021

Também ganhou voz mundial e aos poucos alcançou influência internacional, entrando em mercados como a Alemanha, que realizou um evento de divulgação de letras em 2013 e se tornou a principal editora do movimento.

A literatura marginal e a linguagem de periferia que ganhou voz própria e passou a ser ouvida pelas pessoas.

Traços orais são misturados com termos de linguagem cultural. Erros de ortografia, sintaxe ou pontuação. Selo de edição desconhecido. Você pode não escolher textos que tenham pelo menos uma dessas características para estudar literatura com os alunos, certo?

E se o autor de uma obra com alguns ou todos esses pontos (embora desconhecidos) for reconhecido por especialistas como o dono de si mesmo e do estilo literário relevante?

O movimento cultuado como literatura marginal, a famosa linguagem de periferia

A literatura marginal surgiu exatamente por essas pessoas que viviam pela boemia, utilizavam drogas e faziam da vida louca da época poesia, cultuava pelos povos da região e assim surgiu novos artistas.

A era da poesia marginal é um movimento social e cultural que atinge principalmente a arte (música, cinema, drama, artes plásticas) e literatura. Esse movimento surgiu no Brasil na década de 1970 e afetou diretamente a produção cultural do país.

Este movimento denominado “marginal” absorveu o grito silencioso da ditadura militar através da união de vários artistas, agitadores culturais, educadores e professores.

Assim, permitiu uma nova forma de difusão da arte e da cultura brasileira, mas foi suprimida pelo sistema totalitário vigente no país. Inspirado no movimento contra-cultural, o nome “Geração Mimeógrafo” remete às suas principais características.

Em outras palavras, o meio tradicional de comunicação é usado para substituir outros meios de comunicação. Eles são empregados por artistas independentes ou representantes de culturas marginais.

Você pode gostar:  20 Livros parecidos com Destinada a Lorde Peter

É assim que os artistas envolvidos sentem a necessidade de se expressar e o mais importante de divulgar suas ideias.

Os poemas da literatura marginal são formados principalmente por pequenos textos, alguns dos quais visualmente atraentes (fotos, desenhos animados, etc.), são absorvidos pela linguagem falada (traços da linguagem falada), são espontâneos e inconscientes.

A literatura marginal enaltece a linguagem erótica, humorística falada em gírias e palavrões. Os poetas marginais rejeitavam qualquer modelo literário tradicional, portanto não “se encaixavam” em nenhuma escola ou tradição literária.

Desse grande rito de liberdade poemas desse novo movimento surgiram e entre eles podemos destacar Paulo Leminski, Chacal, Torquato Neto e Cacaso.

Hélio Oiticica também é muito conhecido pela frase “Seja marginal, seja héroi”.

Confira os 5 Poetas mais da Literatura marginal:

  1. Chacal (1951)
Chacal (1951)
Chacal (1951)

O nome “Chacal” nascido no Rio de Janeiro é o pseudônimo de Ricardo de Carvalho Duarte. Junto com Cacaso, ele foi um poeta marginal na geração do mimeógrafo. O escritor e poeta lírico brasileiro James Chacal mimeografou sua obra “Muito Prazer” em 1971.

  1. Paulo Leminski (1944-1989)
Paulo Leminski (1944-1989)
Paulo Leminski (1944-1989)

Grande representante da poesia curitibana e da poesia marginal, Paulo Leminski Filho é escritor, crítico literário, tradutor e professor.

Ele escreveu contos, poemas, frases, ensaios, biografias, literatura infantil, traduções e também estabeleceu parcerias musicais. Publicou seu primeiro poema na revista concreta “Inventions” e colaborou com outras revistas de ponta.

  1. Cacaso (1944 – 1987)
Cacaso (1944 – 1987)
Cacaso (1944 – 1987)

Antônio Carlos Ferreira de Brito (Antônio Carlos Ferreira de Brito), conhecido como Cacaso, é escritor, professor, crítico e letrista.

Cacaso é um poeta mineiro, nascido em Uberaba, e um dos maiores representantes da poesia marginal. Sua voz alimentou os apelos do país pela liberdade que a ditadura exigia para acabar com a repressão.

  1. Francisco Alvim (1938)
Francisco Alvim (1938)
Francisco Alvim (1938)

Francisco Soares Alvim Neto (Francisco Soares) Ele é bom em expressar na poesia marginal em poemas curtos e linguagem falada. Ele foi um membro dos primeiros poetas marginais “Frenesi” com Cacaso e Chacal.

  1. Torquato Neto (1944-1972)
Torquato Neto (1944-1972)
Torquato Neto (1944-1972)

O poeta Torquato Pereira de Araújo Neto, do Piauí, é escritor, jornalista, produtor de cinema (ator e diretor) e letrista de música pop.

Você pode gostar:  Toma Aí Um Poema: Um Podcast de Poesia

De fato, a literatura marginal está muito bem representada na história e hoje é uma cultura popular presente no mundo inteiro e vista com bons olhos e grandes representantes.

Carinhosamente
Marcos Mariano

Marcos Mariano

Tenho 28 anos de idade e sou apaixonado por jogos, animes, tecnologia e literatura. Atualmente estudo Análise e Desenvolvimento de Sistemas e mato meu tempo escrevendo qualquer coisa que passe pela minha cabeça.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Postagens recentes